Submarino Titan: Oque as empresas podem aprender com ele?

Submarino Titan

No dia 18/06/2023, o submarino Titan, pertencente à empresa OceanGate, desapareceu após se aventurar na missão de chegar aos destroços do Titanic que naufragou em 1912, gerando grande repercussão na internet.

Então resolvemos levantar algumas questões e relacionar diretamente à gestão e contabilidade para empresas.

Qual a relação entre o submarino Titan e a minha empresa?

CEO da OceanGate Titan
Segundo documentos de tribunal, ao longo dos últimos anos, a OceanGate enfrentou vários problemas mecânicos e adversidades climáticas que levaram ao cancelamento ou adiamento de expedições. Essas dificuldades resultaram em processos judiciais movidos por pessoas que haviam desembolsado milhares de dólares para realizar uma viagem ao fundo do oceano.

O submarino Titan já havia passado por vários testes e pesquisas, e não estava apto para realizar a expedição em questão. No entanto, o CEO da OCEAN GATE ignorou os alertas emitidos pelos especialistas sobre os riscos envolvidos na missão.

Podemos comparar essa situação aos momentos em que nós, contadores, alertamos sobre os riscos do seu negócio, pagamentos de impostos em dia, escolha dos melhores CNAE’s para sua atividade, emissão de nota fiscal incorreta, controle de precificação e estoque etc. E somos ignorados ou considerados “chatos” por causa disso.

Convém relacionar também a importância em analisar o mercado e contar com uma equipe qualificada para lidar com cada situação.

Se o CEO da Ocean Gate tivesse ouvido os alertas que foram dados, teria evitado a sua morte e dos seus quatro passageiros.

Pois ao considerar os avisos da equipe, aumentamos a probabilidade de implementar melhorias e obter resultados exemplares.

Quando não damos ouvidos aos alertas, chegando mesmo a  até demitir um funcionário (caso que aconteceu com o funcionário da Ocean Gate, David Lochridge, em 2018) por apontar algum erro ou informar que um projeto não está adequado, a probabilidade de falha se torna muito maior.

Os passageiros do Titan, em sua última viagem, incluíam Hamish Harding, de 58 anos; Shahzada Dawood, de 48 anos; Suleman Dawood, seu filho, de 19 anos; Paul-Henri Nargeolet, de 77 anos; e Stockton Rush, fundador e CEO da OceanGate. O executivo era casado com uma descendente de duas das vítimas do naufrágio do Titanic.

Faltou Analise de Riscos

Quando mencionamos a análise de mercado, não estamos nos referindo apenas ao estudo da estratégia dos concorrentes.

Nos referimos também à qualidade do produto e do serviço oferecido, ao trocar um material de boa qualidade, mesmo que mais caro, por um de qualidade inferior e com custo menor, podemos estar colocando nossa marca em risco, pois a nossa qualidade/diferencial também será inferior ao do nosso concorrente.

Realizar uma análise adequada e verificar se essa mudança não compromete a qualidade do  seu produto/serviço antes de imprimir cortes de gastos, deve ser obrigatorio. A capacitação e o treinamento da equipe nunca devem ser comprometidos.

Além disso, é fundamental estabelecer uma margem de risco segura. O submarino Titan, usado como exemplo (a não ser seguido), tinha a capacidade de suportar até 4.000 metros de profundidade, e o Titanic está  a cerca de 3.800 metros no fundo do oceano. Essa diferença é muito pequena, representando apenas 200 metros de “garantia”.

A segurança no trabalho é essencial, e nunca é demais realizar testes quando se trata de algo que possa comprometer nossa qualidade ou segurança física.

Em um caso recente datado do ano passado, David Pogue, jornalista da CBS News, iria realizar um mergulho com o Titan, mas relata que a viagem precisou ser cancelada devido a um mau funcionamento quando o submersível estava a apenas 11 metros de profundidade.

Podemos observar em várias reportagens que o submarino Titan realizou outras visitas ao Titanic e apesar de apresentar alguns problemas, conseguiram voltar em segurança. No entanto, na ultima visita, ocorreu a implosão que levou a vida dos seus tripulantes. 

A sequência de erros que levaram a implosão do submarino Titan

A implosão do submarino Titan ocorreu por causa de uma sequência de erros desde a idealização do projeto até a sua execução. E ja tinha um final já muito alertado por especialistas e estudiosos.

destroços do submarino Titan
O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) afirma que 80% das micro e pequenas empresas não chegam a completar o primeiro ano, e 60% fecham antes dos cinco anos.

Podemos relacionar diretamente implosão com a falência de uma empresa, que pode ocorrer por vários motivos, inclusive desde a sua idealização também.

Segundo o professor e diretor do Instituto de Oceanografia da USP (Universidade de São Paulo),  até o formato da cápsula estava incorreto: “Na verdade, ele deveria ser em um formato esférico, porque a esfera resiste mais à pressão do mar”, afirmou durante uma entrevista ao Poder360.

Esse “erro” acontece quando não levamos em consideração os vieses envolvidos nas operações, além do excesso de confiança, que dá uma falsa sensação de segurança ou nos traz aquele pensamento que ouvimos muito “eu sempre fiz assim e sempre deu certo”. A famosa sindrome da Gabriela “eu nasci assim, vou morrer assim”.

A atenção aos detalhes é fundamental, busque novas tecnologias, ouça opiniões e novas ideias. O gestor não pode parar de estudar e deve estar numa busca constante da sua melhor versão. 

Não repita os mesmos erros do CEO da Ocean Gate!

Não se permita fazer serviços mal feitos, apenas para cumprir prazos, se pergunte agora:

  • Como está a satisfação do meu paciente com o meu atendimento?
  • Como está a satisfação do meu cliente com o meu serviço?
  • Meus funcionarios estão se sentindo ouvidos e incluidos no meu processo de decisão?
  • Eu estou investindo recursos no lugar certo?

Faça pesquisas de satisfação de tempos em tempos na sua empresa, pesquise se você tem algum benefício fiscal que não está aproveitando, faça cursos de aperfeiçoamento profissional.

Não se iluda com o mais barato, as vezes o mais barato pode sair muito caro, podendo levar a multas ou autuações da Receita Federal. E possivelmente a falência do seu negocio por não aguentar a carga tributária ao fazer os pagamentos  dos tributos em valores a maior. 

Os erros do submarino Titan, foram:

  • Utilizar material de baixa qualidade;
  • Margem de segurança muito pequena,
  • Ignorar a opinião de especialistas e responsáveis técnicos,
  • Excesso de confiança
  • Contar com a sorte;

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *